21 maio 2009

Viva la Vida (viva!)

leftrightleftrightleft

Enquanto as gravadoras estão arrancando os cabelos para reverter o irreversível – o compartilhamento de músicas via web – algumas bandas já se tocaram que, quando a onda vem, ou você surfa ou você toma um caldo.
O Coldplay, do alto de seu poder e sucesso no mundo pop, não seria um desses que se afoga na onda : deu de presente aos seus fãs um disquinho ao vivo e gratuito.
Por este preço convidativo, claro que até quem não é muito fã (eu) pode ficar tentado em baixar e conferir. No meu caso, tenho sempre a curiosidade de saber como os artistas se comportam ao vivo.
Como nas vezes em que a turma de Chris Martin esteve por aqui, eu não tive interesse em ouvir mais de perto, nada como um download oficialmente gratuito para me dar uma noção do que é o Coldplay live.
*
E la estava eu, no ônibus indo para o trabalho, arrepiada com a versão de “Viva la Vida”. Com a voz do público, o piano tocado macio, à la Coldplay. “The Hardest Part”, “Clocks”, “Fix You”, todas perfeitas – ele deu sorte, só escolheu as que eu já tinha uma certa preferência.
Me deu vontade de comprar o CD, o de estúdio. Me deu vontade de ver um show. Valerá a pena. Se eu tiver uma oportunidade, irei, sem pensar duas vezes.
Clique aqui para baixar o CD.
*
As músicas do Coldplay nos fazem dar aquela viajada em pensamento, e hoje aproveitei para pensar em uma frase de um amigo meu, pois, por diversos acontecimentos desagradáveis, esta frase se fez presente e verdadeira este ano : “O que mais odiamos nos outros é, em geral, um coisa que nós mesmos somos ou fazemos”.
Como por lá no lugar em que ganho o pão estamos em uma semana em que, antes de nos ligar para esclarecer dúvidas e pedir favores, os usuários estão calçando a ferradura e relinchando alto, não tive dúvidas em como agir quando cheguei em casa e liguei para a Central de Atendimento da Vivo. Não levantei a voz, segui todas as instruções (vários liga-e-desliga de aparelho) e mesmo quando a atendente me deu o prazo de 10 dias para solução, eu não chiliquei, não a xinguei. Eu disse “muito obrigada”. Sim, o serviço não está sendo prestado, mas não é culpa da moça que me atendeu. Sem ferradura por hoje. Viva la vida.

3 comentários:

Anderson disse...

isso aí... eu tenho tentado também não ser grosso com que está dooutroladodalinha. mas tem horas que a culpa é do atendente... mas dá pra saber quando é assim. quanto aos prazos das várias prestadoras desse mundão, daí o jeito é reclamar por outras vias, não com a primeira pessoa que nos atende.

Alexandre disse...

Gostei bastante desse petardo que eles lançaram também. E você é o perfeito exemplo de como dá certo isso. Não conhecia direito a banda, gostou, e, se bobear, compra um álbum e assiste a um show.

Aquele povo da RIAA parece que vive no período pré-jurássico. Já passou do ponto de ser arcaico, é total burrice mesmo. E pior ainda é o que estão fazendo na França, ridículo.

Alexandre disse...

Eu acho que eles foram bem inteligentes (o Coldplay) com o lançamento assim pq conseguem quebrar um certo preconceito bobo com a banda. Os caras não são uma banda diferenciada, um Radiohead da vida, mas mandam um pop/rock perfeito. O que o Chris Martin chama de "a heavy soft rock".

Mesmo quem acha o Coldplay "coxinha" ou "mela-cueca" acaba baixando por pura osmose. (putz, olha essa frase, consegui me superar. rs)

Compartilhe

Related Posts with Thumbnails